Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
25.9.09

Para a próxima legislatura concerteza será substituida pelo banco de Judas.

 

Para os politicos ou para o povo, logo se verá.

 

 

 

 

Vão votar, sff...

 

 

link do post texticulos, às 13:12  (2) | comentar

2.9.09

Por esta altura de verão, no pico da silly season, convocam-se os apoiantes, preparam-se discursos, montam-se palcos. Sorrisos e beijos. O circo está montado para as eleições
 



"Na longa apresentação que antecedeu o discurso de Sayed Hassan Nasrallah de Fevereiro de 2007, até de "face de Cristo" foi apelidado pelo speaker de serviço. Mais de 50000 pessoas cantaram  "Vamos Nasrallah. Esperamos por ti Nasrallah". Ecrãns gigantes espalhados em Dhayieh, bairro xiita de Beirute. Fogo de artíficio no final. Uma produção, bem profissional. Prometeu surpresas a Israel, assumiu para si e para o Hezbollah as responsabilidades do que há-de vir. Talvez face de Judas fosse mais apropriado?"

 

E recordei-me deste post do antigo Textículos. Aproximam-se tempos complicados por cá. Os candidatos andem aí.

 

 

link do post texticulos, às 12:28  | comentar

31.8.09

É uma aldeia junto duma cidade cuja praia tem fama e outrora muito glamour; é uma junta de freguesia que o médico visita 2 vezes por semana; é um lugar que tem saneamento básico desde que um colunável ex-PM na altura concorrendo à câmara pediu que rezassem pela sua vitória.

Neste lugar perdido as gentes carregam nos ossos a humidade dos arrozais, noutros tempos dizia-se que apagavam os fogos antes mesmo dos bombeiros chegarem, de lá saíram honestos trabalhadores e empresários, doutos cientistas e muitos emigrantes, que voltam à Terra no fim-de-semana das festas à mesa com a família e os amigos.

 

É uma aldeia pequena em que ontem a procissão foi disputada homem-a-homem pelos candidatos camarários. Uma pulhice!

 

 

link do post texticulos, às 15:29  (3) | comentar

2.7.09

 

O sistema eleitoral americano é uma caixinha de surpresas, no mês passado nas eleições "autarquicas" de Cave Creek no estado do Arizona o último lugar de vereação foi decidido num jogo de cartas, um jogo de azar como manda a lei em caso de empate.

 

Num chapéu de cowboy foram postos vários baralhos de cartas de onde o juíz retirou um, ao qual retirou os jokers e baralhou seis vezes, Thomas McGuire(à esquerda) tirou um seis de copas e Adam Trenk(à direita) o rei de copas e assim vai ocupar o lugar.

 

Esta foi a forma acordada entre os dois de resolver o assunto, que no passado já foi resolvido num jogo de dados e até com duelos de pistolas.

 

 

link do post texticulos, às 12:01  (2) | comentar