Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
25.5.09

E preferia continuar na ignorância! Mary Roach apresenta uma série de obscuras descobertas e experiências científicas, umas bizarras outras hilariantes, sobre o orgasmo.

 

Fetos sexualmente precoces; erecções pós-morte; farejadores de sémen; senhoras que tem orgasmos ao escovar os dentes ou ao coçar o joelho; estimulação de suínos; macacas lésbicas; competições de ejaculação: vaginas circenses;  e muito mais. Cheira-me que este post vai ser muito popular.

 

Informações úteis: orgasmos curam soluços e migalhas de queijo junto de ratos distraem as femêas mas não os machos.

 

 

 

link do post texticulos, às 09:08  (11) | comentar

6.5.09

Anda para aí uma senhora, Olivia Judson de seu nome e autora do livro "Consultório Sexual da Dra. Tatiana para toda a Criação", a dizer que "O tamanho dos testículos dos machos é uma medida da promiscuidade das fêmeas da espécie. O gorila tem testículos pequeninos porque é muito pouco provável que uma fêmea copule com mais do que um macho durante o período fértil, já os chimpanzés têm testículos descomunais, porque as fêmeas são extremamente promíscuas."

Espero que não se enganem a traduzir esta senhora, não vá eu começar a ser perseguido por alguma turba de "bolitas pequenas".

E portanto também não venham cá bater à porta que eu não conto o segredo! :)

 

link do post texticulos, às 09:08  (3) | comentar

6.4.09

Questiono-me se a análise estritamente cientifica do mundo à nossa volta explica tanto quanto desejaríamos, existem relatos desde o princípio dos tempos um pouco por todo o lado de visões, aparições, espíritos e fantasmas e outros factos inexplicáveis, também há quem tenha premonições e que sinta presenças maléficas, as explicações invariávelmente são declaradas em vez de comprovadas. Só que afirmá-lo não o confirma e as ciências são incapazes de reconhecer estes fenómenos, apenas aqueles que podem ser repetidos, reproduzidos e demonstrados e consequentemente provados, ainda assim o mundo continua o mesmoa despeito daquilo emque se acredita. Eu próprio podia negar a existência da gravidade e ainda assim despencar-me do alto dum penedo.

 

Pelo menos por príncipio a ciência procura derivar dos factos, teorias que os descrevam, até aqui tudo bem não fossem raras as vezes, tal como ideólogos munidos de teorias renegar factos que não lhes fundamentem as conjecturas, não esquecendo, obras do "acaso" como a descoberta de um fungo milagroso ou de uma onda extraordinária. Se um cometa inexplicavelmente mudasse de rota, um astrónomo iria à procura duma influência gravitacional, só para judiar, afirmaria que uma manada de unicórnios invisíveis seria a responsável.

 

Vem isto a propósito, lido no Expresso, duma suposta acreditação por parte do Ministério da Educação de um curso de formação para professores prestado na Fundação Casa Índigo. Então esta malta anticreacionista que retirou e muito bem, os crucifixos das paredes das escolas certifica um curso cuja linguagem inclue coisas como o "conselho galáctico"; "chamado mítico", "seres de luz"; "guerreiros do arco-íris"; "o Amor das Galáxias Giratórias"; "o Grande Espírito"; "Prece Colectiva das Sete Chamas Sagradas". Não renego à partida uma "ciência" que desconheco, só peço que esteja afastada da escola, ainda assim não quero que uma qualquer "ressonância vibracional" me desvie do meu "compromisso com a luz". :)

 

 

link do post texticulos, às 17:46  | comentar

9.3.09

Enche-me de orgulho saber que hoje se inaugura o maior quartel de bombeiros da península ibérica, em Sacavém, ainda que ibérico seja o mínimo admíssivel, mundial ou europeu seria bem mais distinto. Cá no burgo nada de constroi para ser pequeno e quando o é custa como enorme fosse, noutras alturas foram os centros comerciais, parques de energia solar, pontes, barragens, a lista no superlativo é extensa e pouco duradoura, subsiste até que outra nação se empenhe em nos humilhar.

 

Também, parece "descer" a superioridade divina do quinto império sobre qualquer um que ultrapasse a fronteira, graça essa que lhe desaparece no retorno, sumindo por troca com os estrangeiros que pisam a lusa pátria. É um equilibrio primoroso, Lavoisier aplaudiria. Como exemplo regressou à selecção um treinador, que até pisar o burgo era a sumidade da bola, uma vez cá, passou a ser considerado vulgar, quer-se campeão mundial e caso cultivasse uma bigodaça e o afirmasse em brasileiro já haveria bandeirinhas penduradas nas janelas. Campeão de futebol, espero, porque de bisca lambida já temos de sobra.

 

Noutro campo é usual afirmar-se a excelência dos nossos investigadores fora de portas e na verdade muitos deles merecem as loas e também os nigerianos, coreanos e chilenos, etc. que buscam sistemática e versadamente o conhecimento, confundir isto com a tomada das portas do castelo, é nacionalismo açaimado fundado na soberba duma origem sagrada do nosso ADN.

link do post texticulos, às 11:55  (2) | comentar

23.1.09

O "molho de ADN" saído de água quando o chapéu de ozono o impediu de grelhar na praia temperado em radiação UV e encheu a terra de lagartagem malvada que um calhau, atirado não sei de onde, dizimou e espalhou uma fina camada de irídio na terra para que não voltassem. Que evoluiu a trepar às árvores, para delas descer e descobrir um livro com uma promessa ou profecia, ainda não sei, de dominio sobre o resto, desatou a arrasar e cultivar, no fundo a mesma coisa. :)

 

E ainda que de castigo tenham terramotos, tsunamis e vulcões, a sua actividade tem impacto sobre as outras especies à excepção uma obstinada "dúzia" de micróbios e pragas, nomes bonitos para os resistentes. Devastou habitats, despejou toda a imundície na água, envenenou a atmosfera, etc.

 

Esta "rapaziada" é tão egocêntrica que agora quer uma era geológica própria. O Antropoceno, é a sua marca no planeta. Fizeram a m%"$@ e ainda querem ficar com os louros. Pândegos!

link do post texticulos, às 17:36  (2) | comentar