Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
11.8.09

A natureza como repositório "open source" das soluções para os problemas do século XXI.

 

link do post texticulos, às 12:01  | comentar

22.7.09

Estava no outro dia esparramado no sofá a recuperar duma noite quase trágica, quando depois de saltar uma dúzia de canais de televisão parei num cujo programa falava da teoria da evolução das espécies de Darwin, agora que se comemoram os 150 anos da publicação deste documento, um dos mais importantes feitos da mente humana e a determinada altura imaginei o próprio Darwin dar tantas voltas na tumba quantas o meu estomago se preparava executar.

 

Às "páginas" tantas relatavam no programa a épica travessia de mais de 1000km entre o continente americano e o arquipélago das Galápagos duma iguana verde primordial(que é bicho que água nem vê-la) em cima dum pedaço de madeira durante semanas alimentando-se de algas. Sendo seguida, nas mesmas condições, passado algum tempo por uma outra iguana mas de sexo oposto e uma vez juntos no "Jardim do Éden" cresceram e multiplicaram-se, dando até azo a que novas espécies de iguanas se desenvolvessem ao fim de milhares de gerações.

 

Há força de se querer ter razão arranja-se uma qualquer história da carochinha minimamente plausível com cruzeiros de terceira categoria para lagartagem, ficando assim provada a evidente a proposição, até ao dia em que alguém com melhor discernimento e menos metafísica escreverá uma travessia menos camoneana, até lá torno-me agnóstico científico.

 

 

link do post texticulos, às 13:00  (3) | comentar

16.7.09

Com uma regularidade metronómica são publicados estudos científicos, alguns deles confirmando aquilo que o senso comum já sabe sobre certos alimentos, dando-lhe usos sobejamente agradáveis sem sabe bem porquê. Desta feita são os morangos o rei da festa. São bons para o coração, contra o cancro e o envelhecimento, para quase tudo excepto unha encravada.  :)

 

 

E indispensáveis em certas ocasiões. Com ou sem chantilli e se por acaso se sentirem mais empreededores/as deixo um sure-shot para uma companhia que goste do sabor a hortelã(é muito importante saber antecipadamente) do Elvira's Bistrot.

 

Morangos em calda de hortelã

500 g de morangos(chega para uma noite inteira); 3 colheres (sopa) de açúcar granulado; 3 colheres (sopa) de hortelã fresca picada; 1 colher (chá) de amido de milho (Maizena); folhas de hortelã fresca

Colocar 300 ml de água num tacho pequeno, juntamente com o açúcar e a hortelã picada. Levar a ferver, mexendo para dissolver o açúcar. Retirar o tacho do lume e deixar repousar por 4-5 minutos. Filtrar a calda e deixar arrefecer um pouco. Adicionar o amido de milho, batendo até este dissolver na calda. Lavar os morangos e eliminar os caules; escorrer. Cortar os maiores em metades. Colocar os morangos numa tigela grande. Regar com a calda de hortelã os morangos e cobrir com filme transparente. Reservar durante pelo menos 2 horas no frigorífico. Servir bem fresco, decorado com folhas de hortelã.

 

 

link do post texticulos, às 16:08  (16) | comentar

7.7.09

Uma das mais fundamentais e ignoradas forças da natureza é a fricção, o comum mortal conhece-a bem ao esfolar um joelho ou quando muda o óleo do carro, já a rapaziada da física fundamental não lhe deu a devida importância na construção do LHC(Large Hadron Collider) e quase o transformou num monte de sucata no valor de milhões de euros, esta maquineta acelera particulas subatómicas à velocidade da luz menos 10km/h a temperaturas próximas do zero absoluto, a quase 273 graus negativos nem dente se consegue bater. Andaram mais preocupados com a possibilidade de criar um buraco negro que engolisse o planeta.

 

Esperam conhecer a mecânica da estranha força negra que mantêm tudo afastado e frio não perdendo de vista a tal singularidade cuja gravidade faria colapsar o planeta Terra e as redondezas num volume zero. Os físicos quânticos, mais cínicos, acham que tais vazios já ocorreram antes, nas cabeças de certos políticos sem causar catástrofes de tais dimensões.
 

Pelo meio uns "artolas" acham que o tecido de cuja realidade é feita é um entrelaçado de  invísiveis cordas vibratórias embrulhadas num espaço a 10 dimensões dentro das tais partículas subatómicas. Claro!? Eu também posso dizer que Neutrinos estão apinhados de gambuzinos que emitem um fotão de cada que roçam uns nos outros. Esta é apenas uma teoria minha mas provem lá que estou errado. E no entanto sem a fricção não seria possível manter-me sentado nesta cadeira a escrever estas baboseiras.

 

 

link do post texticulos, às 16:12  (2) | comentar