Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
27.8.09

 

 

A Sayuri ofereceu-me este selo, as regras que o acompanham são responder às 4 questões em baixo e passar o selo a 5 blogs.

 

Música mágica?: (Xiiii??) Echoes(Pt#1 e Pt#2) dos Pink Floyd

Filme Mágico?: (Só um?) Lawrence da Arábia.

Viagem mágica?: (Humm??) Volta ao mundo.

Maquilhagem mágica?: (tricky one!) Baton vermelho!

 

Ofereco-o aos 5 blogs:

Amor é fogo que arde sem se ver, Blogadinha dos Virtuais, Leite condensado às colheradas, MICRO macro PuZzLe e Retalhos de uma qualquer vida.

 

 

link do post texticulos, às 15:15  (6) | comentar

3.8.09

A matémática é a disciplina que estuda problemas abstraindo-os em conceitos como números, quantidades, estruturas, espaços ou mudanças, conjecturando, deduzindo, atráves de axiomas e definições em busca soluções ou pelo menos explicações.

Jessica Hagy tem um blog, o indexed, um dos meus favoritos, onde mostra de forma simples a aplicação da matemática a conceitos da vida. Irónica. Inteligente. Divertida.

 


Não é um bicho de 7 cabeças.

 

 

link do post texticulos, às 13:19  (3) | comentar

27.7.09

Não me atrevo a tanto, Blogadinha!

 

Uma tão vulgar e desmesurada vulva!

 

 

Respondo em contraponto com os anúncios da cerveja XX Dos Equis!

 

link do post texticulos, às 12:06  | comentar

22.7.09

Miguel Castelo Branco é um português na Tailândia e mantém dois blogs que sigo com atenção, o COMBUSTÔES e o 500 anos Portugal-Tailândia que merecem ser lidos. Ali descobre-se também Portugal.

 

"Com efeito - as estatísticas não mentem - Portugal realizou o impossível: sobreviveu quase um milénio no escalvado e quase improdutivo canto extremo ocidental da Europa, construiu o Brasil numa dimensão quase continental, resistiu à corrida ao continente africano e aí deixou cinco estados, manteve-se na Ásia até ao limiar do terceiro milénio, arrancou a ferros Timor dos braços da Indonésia muçulmana. Os povos revelam-se na adversidade. A grandeza de Portugal só se revelou quando se finaram as grandes gestas náuticas, as retumbantes vitórias militares e a riqueza da casas da Mina e da Índia. Quando o Império iniciou o seu ocaso, não foram nem os príncipes nem os eclesiásticos purpurados que mantiveram a vida nos Concelhos, que animaram os hospitais e as Misericórdias, que reuniram fazendas e sangue para refazer os panos de muralha. Até mesmo quando o inimigo sobre nós triunfou e quando por cavalheirismo de guerra permitiu que os Homens Bons reunissem família e pecúlio e zarpassem para terras portuguesas, nos mais pequenos rincões ficaram os pobres aos quais coube resistir silenciosa e teimosamente.


 
 

 

link do post texticulos, às 12:03  (2) | comentar

15.7.09

Foi curtinho! Estou de volta!

 

Não resolvi metade das coisas em mão, ainda assim deu para apanhar ar.

 

 

Parecido?! Sou com o meu irmão, ao que dizem! Com um Guadêncio qualquer, colega de tropa de alguém que devia ter mais atenção a abordar as pessoas e ainda hoje me causa embaraços. E numa dada altura da minha vida, vitíma dum corte de cabelo infeliz fui confundido por velhinhas em Lisboa ao cair da noite com o famoso apresentador de concursos conhecido também pela irritante frase "Até já!". Reforço a ideia, corte de cabelo!

 

 

link do post texticulos, às 09:57  (7) | comentar