Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
Aventureiro introvertido; Sensível idiosincratico; Conversador tranquilo; Solitário na multidão; Dedicado desregrado;
texticulos@sapo.pt
24.2.10

Os italianos chamavam-lhe ora espanhola ora francesa; o franceses chamavam-lhe italiana; os ingleses e os turcos chamavam-lhe francesa; os russos, polaca; os indianos e os japoneses, chamavam-lhe portuguesa; Os espanhóis, quando a reconheceram chamaram-lhe a  doença da Española, o nome do Haiti nessa altura.

 

Foi assim "alcunhada" a Sifílis noutros tempos e serve de alegoria aos delírios e autos-de-fé, efeitos colaterais do conhecimento e da razão, respectivamente, a que vamos assistindo.

 

 

O Homo Sapiens, suposto portador da faculdade que a natureza arranjou para decifrar-se a si própria vulgarmente chamada de consciência, revoltou-se e parece ter voltado ao estado selvagem. Tão rica quanto ridícula, uma fauna emerge em passo de ganso como autoridade e fazendo notar as encrencas em que se metem os seus adversários. O dedo em riste ameaça-os num clima de paz armada, de modéstia e distinção. Não é o choque de civilizações que Huntington revelou é mesmo o choque de incivilizações.

 

 

link do post texticulos, às 16:20  | comentar

17.2.10

O único representante luso em Vancouver melhorou em 5 minutos o seu tempo na prova dos 15km nos últimos jogos olímpicos de Turim. Parabéns ao Danny Silva, foi último, é verdade e depois!?

 

 

Ei-lo a festejar com o etíope Robel Teklemariam (93.º), o nepalês Dachhiri Sherpa (92.º). Foi até ao fim. E isso é muito importante!

 

And now for something completely different... e uma vez que é díficil encontrar alguém que fale bem cá do burgo, sou obrigado a recorrer ao embaixador britânico em Portugal, Alexander Ellis, «Então, deixemos de lado quaisquer miserabilismos e concentremo-nos nas coisas boas – não como escape mas como realidade. Vivi em Portugal há quinze anos. Agora,   de volta, quero sugerir dez coisas, entre muitas outras, que melhoraram em Portugal desde a minha primeira estadia. Não incluo aqui coisas que já eram, e ainda são, fantásticas (desde a forma como acolhem os estrangeiros até à pastelaria)

 

 

link do post texticulos, às 18:00  (4) | comentar

8.2.10

Políticos honestos, ponho-os na mesma categoria do Pai Natal e do Coelho da Páscoa.

 

 

 

link do post texticulos, às 18:00  | comentar

27.1.10

Fernanda Eberstadto escreveu, à dois anos, no New York Times este artigo, sobre José Saramago.

"Saramago’s most distinctive trademark is his punctuation, or rather the lack of it. His fictions are constructed in run-on sentences disrupted by only commas, a flood of prose in which narrative observation, individuals’ thoughts and dialogue go unmarked. In addition, many of his books refer to one another, and all the characters talk exactly alike, giving their conversations the feel of an internal monologue. It is as if a continuous reel of a silent film were being projected in a movie theater that is empty save for one extremely garrulous spectator.
That spectator is Saramago’s narrator, an unidentified personality who presides over all the novels. The literary critic James Wood has described this narrator’s voice as that of “a sly old Portuguese peasant, who knows everything and nothing."

 

E não somos todos?

 

 

link do post texticulos, às 16:00  | comentar


eXTReMe Tracker
 
federação