Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
Aventureiro introvertido; Sensível idiosincratico; Conversador tranquilo; Solitário na multidão; Dedicado desregrado;
texticulos@sapo.pt
29.5.09

Faz algum tempo que não verrino e começo já a sentir o excesso de fel que urge verter, desta vez sobre essa corja que descende dos molestadores de camelos que outrora atravessaram os vastos desertos carregados de mercadorias vindas de terras exóticas até aos nossos mercados, aqueles a que agora chamamos vendedores, hoje apenas transportam catálogos, um sorriso fuínha e um brinde, ocasionalmente. Um jogo de pastilhas de travão é agora uma peça ergonómica que rentabiliza o tempo empregue na montagem, diminui o atrito evitando assim inflamações e o desgaste prematuro, mantendo constante o coeficiente de fricção sob altas temperaturas, proporcionando assim a húmida perversão duma suave carícia perna acima a que antigamente chamavamos travagem.

Metido o pé além da soleira da porta, começam com um "Muito bom dia!", que justifica no momento uma justa decapitação, passando pela cabeça responder "Eu não gosto de dias bons" ou "Preferia ter apanhado varicela". Um "Bom dia" significa, "respeito-te e desejo-te um dia agradável!" é uma franquesa que se dá até a um estranho mas um "Muito bom dia!" soa a cordialidade forçada em discurso urbano e correcto de sóis e passarinhos no ar, nisso admiro as gentes mesmo do norte, que respeitam suficientemente os outros para lhes serem honestamente rudes e humanas. De seguida vem o "Olá sou o Mário, o seu ..." ao que apetece sacar dum machete, cortar o Mário em pedaços e esperar a chegada da polícia embuído da paz interior que advém da inesperada descoberta do sentido da vida. Ensimesmados de atitude felosa disparam um engodo de compaixão envolto num discurso sacarino capaz de sugar a vida de um diabético.

Enquanto folheiam catálogos de Princesas cerúleas e Crepúsculos no bosque vão fazendo conversa a que respondemos mentalmente "sim... ok... que é que queres?... a próxima  glaciação está próxima... gostava ainda hoje de ver os meus filhos...", não precisas de querer ser meu amigo ou (no feminino) insinuares na voz o tom que sugere quereres sentar-te no meu colo. Então outra epífania se revela e a combinação de horror, resignação e perda de fé na verdade das coisas debate "como é que existes?... alguma vez pensaste em fazer algo de útil? vai-te sentar em cima dum nabo..." Bastava um "Está a ver, são as melhores do mercado, tem aqui um buraco em cima, outro cá atrás e vem com uns parafusos à parte. Compre!", era tosco à mesma reconheciamos estar a ser enganados, sem me quererem fazer sentir importante ao escolher entre sanitas azuis ou verdes.

link do post texticulos, às 16:12  | comentar

De Blogadinha a 29 de Maio de 2009 às 18:07
Sorte a tua só trazer parafusos à parte...
Fosse bom vendedor e saías de lá com um cão da scotex! :P
Bom fds.

PS: Gostei do rouxinol, mas cantou um pouco ao lado. Conheço código para o efeito: é básico e ocupa toda a tela, quando abre... mas se te for útil, diz.

De texticulos a 29 de Maio de 2009 às 18:28
Acho que já consegui resolver, obrigada!

De Anónimo a 29 de Maio de 2009 às 18:18
vai enviar cocos no rabo. daqueles peludos. deves ter a mania que és o próximo mário de carvalho.

Come merda às pazadas, morre devagar e dolorosamente. come lampadas pelo recto.

e outras coisas que tais!

De texticulos a 29 de Maio de 2009 às 18:27
Muito obrigado!! Tenha um bom fim de semana!

De Uma vida qualquer a 31 de Maio de 2009 às 10:09
O teu anónimo deve ser Técnico comercial e isso de o chamar vendedor e o querer cortar às postas não lhe deve ter sentado muito bem. E já agora diz-me: o que compraste que não precisavas!??!
Besos guapo

PS: Espero que no estés sentado poque hayas ido a buscar el vino!

De texticulos a 1 de Junho de 2009 às 10:28
Uma casa portuguesa fica bem...

Vino, pan, quesos!!

eXTReMe Tracker
 
federação