Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
Aventureiro introvertido; Sensível idiosincratico; Conversador tranquilo; Solitário na multidão; Dedicado desregrado;
texticulos@sapo.pt
20.3.09

Um lemming com a sua minúscula rede neuronal questiona-se sobre a improbabilidade de não nos termos já precipitado todos dum penedo qualquer. E se a ideia da Humanidade se estar a aperfeiçoar, um aforismo fabricado pelo ego em quilo e meio de massa cinzenta, as últimas quinhentas gerações curiosamente rejeitam tal racionalidade nos comportamentos. Não há evolução, as cabras ainda não fazem ninhos nas árvores.
 

Os selvagens lutavam regularmente com as tribos vizinhas por cavalos, caça, água ou mulheres, não obrigatóriamente por esta ordem, os astecas inventaram a remoção cirúrgica do miocardio como meio de rogar aos deuses cavalos, chuva, colheitas e mulheres, de novo a ordem não interessa, estes sacríficios horrorizaram os espanhóis, um povo civilizado que já fazia churrasco de hereges e até aos nossos dias foi um pulinho cheio de crueldade. A construção dum míssil balístico intercontinental contêm em si própria a mesma elegância de colocar um prego na ponta dum cajado. Por outro lado no exacto momento em que julga a juventude perceber tudo melhor que os próprios pais,  alista-se na próxima cruzada que tome Jerusalém ou até salve o mundo do FMI, tudo em nome de princípios e de forma tão persuasiva quanto barulhenta, não é necessariamente estúpida, embora por vezes o simulem bem.

 

Mas enquanto sociedades, organizações ou razões, o ímpeto apostólico usualmente pavloviano que espuma argumentação, indignação e agressão, porque falar é sempre mais fácil que agir e a civilização têmpera a barbárie, esquece-se que o âmago não está em se ter razão, está em melhorar a vida alheia, está em que morram menos uns quantos.

link do post texticulos, às 17:01  | comentar

eXTReMe Tracker
 
federação