Textículo (*) s. m., texto ridículo; texto pequeno. (* não existe no dicionário)
Aventureiro introvertido; Sensível idiosincratico; Conversador tranquilo; Solitário na multidão; Dedicado desregrado;
texticulos@sapo.pt
26.1.09

Na semana antes do grande jogo da época, o confronto com a cidade vizinha, o ambiente andava desassossegado, junto à linha o treinador abanava a cabeça enquanto os jogadores treinavam, nem queria acreditar, ninguém parecia saber trocar a bola. Chamou todos à sua beira e berrou uma palestra sobre objectivos e empenho. Chamou à atenção para o exemplo do Henrique, que todos deviam seguir, um rapaz franzino, sem grande talento, trabalhador-estudante, em três anos foi sempre o primeiro a chegar o último a sair, nem sempre jogava e nunca se havia queixado, tinha paixão pelo jogo.

No dia antes do jogo o Henrique não compareceu ao treino, veio no fim dar uma satisfação ao treinador, pediu desculpa, o seu pai tinha falecido e não poderia dar o seu contributo à equipa no dia do jogo. O treinador compreendeu e prometeu dedicar o jogo à sua memória. No dia do jogo, uma hora antes começar o Henrique apareceu no campo equipado, pediu ao treinador que o pusesse na equipa inicial, queria estar com aquela que também era a sua família, o treinador hesitou até que viu o brilho nos seus olhos. O Henrique fez o jogo da sua vida, chegou mesmo a marcar um golo de cabeça.

No final durante um enorme abraço ao treinador, este emocionado:
 - Em três anos, nunca te vi jogar assim, rapaz!
Uns segundos silenciosos depois.
 - Chegou a conhecer o meu pai?
 - Nunca tive o previlégio, vi-te uma ou duas vezes a passear com ele de braço dado.
 - Sabe, ele era cego. Hoje foi a primeira vez que me viu jogar.

link do post texticulos, às 12:47  | comentar

eXTReMe Tracker
 
federação